27 de Fevereiro de 2012

Hoje as sessões de gravações foram pela noite. O dedo do Leandro estava quase bom, então ele pode continuar com as gravações de baixo. Infelizmente eu não pude assistir toda a sessão, e quando cheguei ele já havia gravado “Period” e “The Leaf”. Enquanto ele se preparava para gravar a próxima, eu pude ouvir o resultado dessas primeiras e gostei muito. “Period” é uma música que têm a introdução e o final com um baixo solo, e o clima dessas partes ficaram excelentes. “The Leaf” deve ser a música que tem a linha de baixo com mais movimento, com dezenas de frases rápidas e ao mesmo tempo delicadas. Tudo realmente soou muito bem.

A próxima música foi “Penas”, que é uma balada que tem uma drástica mudança de clima no final, passando por uma levada meio Funk (não o carioca). Na primeira parte ele, a balada, gravou uma linha em ostinato, que combina muito bem com os harmônicos que eu toco e com a melodia de voz. Na segunda parte, o Funk, ele tocou uma linha de baixo bem suingada e grudada no groove de bateria.

Pensamos em continuar, mas já era tarde e amanhã temos outra sessão logo pela manhã, na qual, provavelmente, o Leandro vai acabar de gravar toda as suas partes.

 

28 de Fevereiro de 2012

Hoje começamos cedinho com o Leandro gravando as partes que falatavam de baixo. Mais uma vez não pude assistir a essa sessão e quando cheguei ele havia acabado de encerrar suas gravações. Ele gravou “Padma”, uma outra música com influência de sonoridades folclóricas (temos cinco, só nesse disco), nesse caso, sonoridades indianas. A linha de baixo dessa música é composta por um ostinato meio mântrico, com o bordão soando a nota Mi como pedal, perfeita para o clima da música.

Em seguida, ele gravou o solo de baixo em “Sakura”, completando assim a gravação de todos os baixos do álbum! Agora já estão prontas todas as gravações de bateria e baixo.

Como o Leandro acabou bem mais rápido que imaginávamos (segundo ele foi o “vigor da manhã”), eu continuei a sessão de gravação que estava reservada só para o baixo. Primeiro gravei minhas guitarras bases em “Sakura”, começando com as partes de som limpo e depois as guitarras distorcidas do final. Tudo foi relativamente simples, já que tocamos essa música ao vivo há algum tempo. Não gravei o solo de guitarra porque a base dele é feita com koto, que ainda não foi gravado.

Depois comecei a trabalhar em “Griffin’s Shadow”, que é uma música longa, cheia de partes diferentes, algumas bem pesadas, cheia de guitarras distorcidas. Contudo, como não queria montar os stacks ainda, preferi começar com as guitarras mais limpas, que aparecem no refrão, na parte B e no interlúdio da música. Nessa música, uso a primeira e a sexta corda afinadas em Ré (Ré, Si, Sol, Ré, Lá e Ré), e acabei escolhendo a minha Seizi surf green plugada em meu JCM 800 para a gravação.

Comecei pelos refrões, que são feitos com uma sequência de acordes abertos montados com as notas da escala Hira-Dioshi (na qual está baseada toda a composição). Esses acordes abertos são muito valorizados pela afinação com três notas Ré em cordas soltas.

Depois fui para a parte B da música, um momento muito mais tranquilo no qual toco acordes omitindo o som do ataque das palhetas com o botão de volume (volume swell). Utilizei o Phaser GF e o DD2 da Boss para essa parte e escolhi a posição do meio do switch de minha guitarra, com os dois single coils ligados. Deixei o tone do pick up da ponte aberto e o do pick up do braço fechado, dessa forma eu obtive o máximo de agudo do captador agudo e o máximo de grave do captador grave ao mesmo tempo. Gostei muito desse timbre.

Depois passei para o interlúdio da música, uma longa parte instrumental composta por um contraponto entre guitarra, koto e baixo. O grande problema desse interlúdio não é tocar as frases com a Hira-Dioshi, pois já toco essa escala há tempos e já estou acostumado com suas digitações. Complicado é decorar a longa sequência melódica que não repete nenhum um padrão. Além disso, nenhuma das três melodias é ouvida como principal, portanto fica mais difícil de criar uma “guia de memória. Precisei de alguns takes para gravar as duas guitarras dobradas dessa parte, mas o resultado ficou bem legal.

Depois disso, não havia tempo para gravar mais nada. Essa sessão valeu porque pude usar o tempo que sobrou da gravação de baixo para adiantar a de guitarra.

A noite foi a vez da Lorena começar a gravar suas guitarras do disco. Infelizmente não pude ir a essa sessão, mas quando cheguei ao estúdio pude ouvir que ela gravou “The Leaf” e “Penas”. Ela usou o Vox AC30 que pedimos emprestado do Eric Matern, e tirou um timbre incrível! Além dos microfones na boca dos falantes e de ambiência, ela também microfonou a própria guitarra (pode fazer isso porque gravou da técnica) e dessa forma poderemos misturar o som elétrico da guitarra com o acústico na mixagem. Fizemos isso em “Blank” e “Silence” do Obviously Clear, e o resultado foi excelente, porque acrescenta um maior volume ao som das palhetadas.

 

01 de Março de 2012

Teríamos gravação de voz ontem, mas essa sessão foi remarcada para hoje a noite. Porém antes, pela manhã, foi a minha vez de voltar a gravar. Cheguei cedo ao estúdio e fiz a maior parte dessa sessão sozinho (apenas com o San pilotando a mesa). Pluguei minha Seizi surf green no JCM900 para gravar as partes pesadas de “Griffin’s Shadow”. Depois de gravar uma primeira linha de guitarra, montamos o Mesa Boogie e eu fiz mais dois takes, pois queria que essas partes soassem como uma parede de amplificadores. Acabei ficando muito satisfeito, porque essa música ficou realmente muito pesada.

Aproveitei o set de stacks montado para gravar as linhas pesadas de “Penas”, só troquei de guitarra para a minha Seizi pintada. Essa linha é uma melodia feita com oitavas e que aparece nas últimas duas estrofes da música. Dessa vez gravei primeiro com o Mesa Boogie e depois dobrei com o JCM900.

Depois disso foi a hora de voltar para o meu velho JCM800, para gravar a introdução e as primeiras duas estrofes de “Penas”. Essa é uma linha difícil, que toco apenas harmônicos artificiais. Demorei um pouco para ajustar o timbre, e acabei optando por utilizar o Valve Drive da GF com o DD2 e o Super Chorus da Boss (CH-1). O timbre ficou excelente, mas precisei mais uma vez gravar da técnica por causa dos feedbacks. Depois de gravar essas partes o meu tempo no estúdio acabou, mas foi uma sessão bastante produtiva.

Voltamos a noite ao estúdio para gravar a primeira linha de voz. A Lorena optou por começar com “Penas”, uma balada com belas linhas de voz. A Lorena fez alguns takes para esquentar, e isso foi fazendo com que a interpretação dela fosse ficando cada vez mais legal. Ela cantou as duas primeiras estrofes de forma bem delicada, com um clima bem intimista, mas abriu a voz na última parte da música. As sessões de voz tem de ser mais curta, pelo fato de ser um esforço físico maior. Por isso, temos como regra gravar no máximo uma música por sessão, então depois dela ter terminar “Penas”, encerramos os trabalhos de hoje. Ainda temos muito pela frente, mas já podemos ouvir algumas músicas tomando corpo.

Comments.

Currently there are no comments related to this article. You have a special honor to be the first commenter. Thanks!

Leave a Reply.

* Your email address will not be published.
You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>